segunda-feira, 18 de abril de 2011

Dos erros


Lembro-me de querer construir uma vida contigo. Lembro-me do detalhe dos teus olhos cintilantes enquanto pensavam em planos conjuntos. Hoje, já não os sinto nem sequer os vejo. Hoje, sei que nada disto importa no fundo. Lembro-me de pensar em querer-te do meu lado sem ter de o pedir ou exigir. Hoje, é diferente. Hoje sinto-te longe e sei que o estás efectivamente. Antes, estarias mais perto do que qualquer outro ser humano. E a ironia da vida, remete-mos para um parque onde esses planos nos passam mesmo à frente dos olhos. Como se os conseguíssemos agarrar, como se sequer tivéssemos realmente tentado no tempo em que devíamos.
Antes, sabia-te de cor. Hoje tenho de desdenhar caminhos para te encontrar. Não mais. Rendo-me às evidências, rendo-me ao tempo e a colocar o passado onde pertence. Tu, terás uma tarefa tão mais facilitada, continuar a trocar-me as voltas e desapareces da minha vida como só tu sabes.

1 comentário:

incógnita disse...

porque terá de ser assim..