sábado, 19 de setembro de 2009

Um, dois, três.



Um, dois, três. Contas os minutos para sentires perto de ti, aquele que só com um olhar esperas que te veja, tal como és. Enquanto o fazes, concebes personagens, cenários, situações, que esperas serem possíveis. Tal é a força da tua crença neste ser humano, que julgas que o é e será, na realidade. Sempre. E esperas, não tão sozinha quanto ontem. Mas, mais acompanhada que amanhã. Talvez esperes, porque assim que chegar a tua vez o resultado será redobrado e os efeitos secundários, esses, deixar-te-ão num puro estado de graça, que só irá sofrer mutações para a frente, nunca para trás. Já não te lembravas o que era esperar sem desesperar, esperar como sentido de vida, esperar como se de oxigénio se tratasse.

Um, dois, três. E quando pensas assim, já te rendeste à causa óbvia. Não há, nem nunca houve, volta a dar quando o assunto é, o sorriso estampado nos lábios. Corres tal bolsista frenética, pronta a ser a primeira a saber como está o mercado de acções. É assim que me fazes ser, frenética para te ver, frenética só para estar.

Um, dois, três. E promessas não foram feitas. Corta a naturalidade às coisas. Principalmente às de causa digna. Se sabes que algo acontecerá de tal maneira, para quê prometer!? Há tanto em nós por explorar, mas a pressa nunca foi um objecto que levámos para esta nossa expedição. Não há nada como estar em casa, num dia de Inverno. Ligar a lareira, ter-te do meu lado e ouvir-te falar do teu dia. Tal menino a falar do seu primeiro dia de aulas. Confesso, o brilho nos teus olhos guiar-me-á em dias mais escuros. Mas não prometo, e tu sabes porquê.

Um, dois, três. E enquanto te escrevo, solto em mim mais um pedaço de ti que tem ficado encravado na gaveta com o rótulo: felicidade.

Um, dois, três. E já estás tão aqui.



17 comentários:

Ni disse...

'Mas não prometo, e tu sabes porquê.'

É exactamente isso. :) Engraçado como a nossa aprendizagem dessa realidade tão óbvia que quase sempre passa despercebida diante de nós foi praticamente sincronizada.
Eu aprendo, tu aprendes. Aprendemos juntas em caminhos separados.

Aproveita agora o caminho que se abre à tua frente.

Bem-vindo futuro!

Bernardo disse...

uaua :O tão lindo +.+

Isabel disse...

No meu blog, há um miminho para ti :)

Joana ' disse...

Lindo, como já nos habituaste.
Beijinho querida

Cátia'P disse...

Um, Dois, Três, e aqui tens a Felicidade :')

clube dos desgostosos disse...

um, dois, três e espero que tu sejas feliz!

Emma*

messy disse...

que bem! gostei de ler*

Bituca disse...

gostei :)

isa meireles disse...

mudança de ''casa'' , vou andar por este lindo espaço :)
antigo : http://peakofdream.blogspot.com

um abraço ! *
mudança de ''casa'' , vou andar por este lindo espaço :)
antigo : http://peakofdream.blogspot.com

um abraço ! *

O Profeta disse...

Passei para te deixar um terno beijo...

Michelle disse...

Excelente uso deste tradicional jogo e dos números que nele se usam. Adorei mesmo. x)

clube dos desgostosos disse...

Texto lindo:)
Felicidades.
beijinhos
Vicky

clube dos desgostosos disse...

Texto lindo:)
Felicidades.
beijinhos
Vicky

Bea disse...

muito bem :) gostei de ler tambem! beijinho BHG

Paula disse...

Um, dois, três e escreveste uma coisa linda e que diz tanto ao mesmo tempo...
:)

*_Clave de Sol_* disse...

Um, dois, três. Mimo para ti no meu blog ;)

meninadolápismágico disse...

Pareces mesmo eu a falar da minha situação ! :p