quinta-feira, 23 de julho de 2009

Para ti, a minha maior estrela.



Boa noite, permite-me que te convide a caminhar comigo por aí. Estás em segurança, nada mais seguro que a mansidão das nossas almas a vaguearem juntas. Vá, deixa-te de te aperaltares para mim, sempre te disse que gosto de ti ao natural. É na luz da noite que vejo a tua essência, e ela só é reflectida para mim, quando te mostras como és. Sim, assim já me pareces mais tu. Deixa-te estar, não vás ainda. Deixa que eu te conte o que ambiciono da vida, dos planos que fiz e das quedas que dei. Bem sei que não é digno de tanto alarido, mas gosto de pensar que quando ouves, passa a ser. Senta-te aí, vamos cristalizar este nosso momento, e ver como o Mundo reage sem nós. Não te rias, eu sei que gostas de reparar no que mais ninguém repara. Sim, foste tu que me alertaste para hábitos que nem eu imaginava ter, como deixar as portas do guarda-vestidos abertas todas as noites, e a verdade é que deixo. Somos só nós aqui, e o Mundo parece lidar bem com a nossa abstinência, pensamos nós. Mas repara, que só nós vemos que o Mundo continua no mesmo estado, desde que partimos. Que tal para uma primeira tentativa? (Foi aqui, que dizes ter percebido, que eu era o teu Mundo. Dizes tu, que se tu partisses eu iria sentir a tua falta. Deixa-me concordar contigo: Sou o teu Mundo). Sorris para mim, encantador como sempre. Foi nesse sorriso que vi o fundo da tua alma, concluí. Nada parece demover-te, estás ali quase que congelado para o que der e vier. Sabes que sozinho, não podes fazer nada, mas tens a esperança que a tua atitude faça estimular outras almas. Que acto de audácia e que sorte tenho eu por estar tão perto de ti, penso.
Acordas-me neste mar de pensamentos e dizes-me : “Queres agora ir ver as estrelas?”. Digo-te que sim. Mas naquela altura, não sabias que eu te considerava a maior estrela e não precisava de olhar para o céu para saber o que era uma estrela. Bastava olhar para ti. Fixaste o olhar em mim, como se lesses os meus pensamentos e quase que como que em forma de agradecimento, beijaste-me a testa. Todos os meus devaneios na altura, foram autentificados agora por ti.

5 comentários:

Fabiana Gomes disse...

que texto mais lindo *.*
Tão romanticooo *.*
Parabens pelo texto esta divino!

*IzzY_MeL* disse...

Olá :D

"É na luz da noite que vejo a tua essência, e ela só é reflectida para mim, quando te mostras como és. " OMG!! Está perfeito!
Amei amei amei! :D
Beijinho
*izzy

Joana ' disse...

Minha Querida,
Também senti muita falta dos teus textos, acredita.
Infelizmente não me tem sido possível vir aqui com a regularidade a que me habituei.
Mais uma vez, tens razão.. Este tempo serviu (e espero que continue a servir) para me animar, para me divertir, para reflectir... E isso é bom.

No entanto, por mais tempo que esteja sem vir à blogosfera, há coisas fantásticas que não mudam... A qualidade dos teus textos é uma delas!
"Mas naquela altura, não sabias que eu te considerava a maior estrela e não precisava de olhar para o céu para saber o que era uma estrela. Bastava olhar para ti." *.*

Beijinhos Querida
Senti saudades

Miss Glitering disse...

Bonito texto, gostei!
beijos

André disse...

O que dizer, o que dizer de mais um pedacinho de talento puro. Aí, o que gosto dessa forma sublime com que pegas em simples palavras, que de especial pouco têm – quando se encontram desconjugadas - mas que frase a frase, vão assumindo algo que apresenta um domínio exasperado sobre quem sobre essas se deleita. Crias algo que se conta por si mesmo, sem necessidades de personagens, crias paisagens de letras que trazem dentro de si sentimentos. “Obrigas-me” momentaneamente a acreditar, a viver, cenário paradisíacos no que a sentimentos que tais dizem respeito, apesar de teres conhecimento da minha aversão a momentos tão melosos. (: O dom é teu, eu limito-me a navegar nesta imensidão genuína, tão intensa, real, como cinematográfica. ;D

Existem pessoas que simplesmente nos preenchem a alma, que aquecem corações nos membros do cenário mais gélido. Não que precisem de fazer muito, por isso, não! Existem sentimentos, elos ligações, que se criam por si só, como se de facto sempre existissem, mesmo anteriores ao nosso conhecimento. Não precisam de ser ditos, escritos, Existem e exalam tamanha força que a tudo resistem. A estrela que simplesmente eclipsa todo o restante sistema solar. ;D

Beijinho grande (: *